Secretários da PMJP saem correndo de sessão sobre Porto do Capim


Após a fala da presidente da Associação de Mulheres do Porto do Capim, Rossana de Holanda, e de diversos outros membros de movimentos sociais em apoio à causa da permanência da comunidade em seu território tradicional, os representantes do governo municipal de João Pessoa se levantaram da sessão de debate sobre o projeto do "Parque Ecológico do Sanhauá".

Na oportunidade em que a secretária Daniela Bandeira, da SEPLAN, faria uso da palavra para defender a remoção forçada dos moradores do território que habitam há cerca de 07 décadas, os parlamentares e representantes da prefeitura recuaram.

Percebendo que os moradores do Porto do Capim estavam muito organizados, e diante de falas extremamente elaboradas, com apoio de professores universitários e diversos técnicos, Bandeira levantou-se sem fazer a sua conhecida fala higienista, defendendo que é a comunidade a responsável pelo estado de degradação do Rio Sanhauá - e não a inexistência de regularização fundiária e saneamento básico do local.

O vereador Tibério Limeira (PSB/PB) saiu na defesa dos moradores ao afirmar que a cidade de João Pessoa tem a singularidade de ser a única capital do Brasil cujo Centro Histórico possui uma comunidade ribeirinha, situada às margens do Sanhauá. Ressaltou que ao invés de explorar o rico potencial turístico que esta especial realidade revela, a prefeitura de João Pessoa tem optado por insistir em justificativas higienistas, para implantar um modelo arcaico de revitalização.

Tárcio Teixeira (PSOL/PB) também deixou registrado seu apoio aos moradores, juntamente com outros movimentos sociais.

Saiba mais sobre o Porto do Capim

Detentora de uma riquíssima trajetória, a história da comunidade do Porto do Capim tem início no governo Epitácio Pessoa, quando as instalações portuárias que se instalariam no rio Sanhauá são transferidas para o município de Cabedelo. A partir de então, habitam a margem do rio, fazendo uso do espaço de forma tradicional.

Desde 2014, a comunidade do Porto do Capim tem tentado dialogar sobre sua realidade junto aos secretários da Prefeitura de João Pessoa. O Ministério Público Federal, na pessoa do procurador José Godoy, tem funcionado como interlocutor desse diálogo, uma vez que há direitos difusos e coletivos dos ribeirinhos do Porto do Capim, que a Prefeitura insiste em não reconhecer.

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, parece estar sempre envolvido em outras atribuições, de modo que nunca esteve presente à mesa de diálogo com os moradores. Em seu lugar, seus secretários têm defendido uma resposta única: a remoção compulsória dos moradores do Centro Histórico.

Nossa opinião

O diálogo é a pedra fundamental da democracia. Sem tolerância não há diálogo; sem diálogo não há consenso; sem consenso não há democracia. Levantar da mesa de negociação, como já ocorreu em diversas outras oportunidades, é uma atitude covarde pois a equipe da Prefeitura tem a obrigação legal de dialogar com os ribeirinhos do Porto do Capim.

Temos acompanhado de perto diversas reuniões com representantes da prefeitura e a fala dos secretários municipais sobre o projeto de "revitalização" do Centro Histórico. O que temos observado é que a prefeitura tem defendido de forma irredutível a intenção de remoção compulsória dos moradores - o que nos parece a repetição de um erro já observado em diversas outras experiências antidemocráticas de gestão do patrimônio público e reflete uma concepção higienista dissociada da concepção mais moderna de patrimônio cultural.

O patrimônio são as pessoas, que trazem em sua memória a representação sobre aquilo que para elas tem relevância cultural. As pessoas são testemunha da história da cidade de João Pessoa.

Respeitem o Porto do Capim.

O Porto do Capim resiste.


Principais Posts
Posts Recentes
Arquivos
Procurar por Tags
Nenhum tag.
Redes sociais
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
  • w-facebook
  • Twitter Clean
  • w-googleplus

© 2018 by  COLETIVO JARAGUÁ. Todos os direitos reservados.

BENS INVENTARIADOS

 

ALA URSA

BOI DE REIS

CAPOEIRA

CAVALO MARINHO

CELEBRAÇÕES DE MATRIZ AFRICANA

CIRANDA

COCO DE RODA

CONSTRUÇÃO DE CASA DE TAIPA

ESCOLA DE SAMBA

LAPINHA

NAU CATARINETA OU BARCA

OFÍCIO DAS PARTEIRAS

OFÍCIO DAS REZADEIRAS

OFÍCIO DO GAITEIRO

PESCA ARTESANAL

QUADRILHA JUNINA

TERRITÓRIO QUILOMBOLA

TRIBO INDÍGENA DE CARNAVAL

CAMBINDAS BRILHANTES DE LUCENA

 

COMUNIDADES

 

Paratibe

Gurugi-Ipiranga

Bairro dos Novais

Alto do Mateus

Porto do Capim

Vale do Gramame

Penha

Rangel

Roger

Lucena

Cabedelo

Santa Rita

Mandacaru

 

FINANCIADORES

 

APOIADORES

DOCUMENTOS